easy website maker
Mobirise

Secção de Educação Comparada.

Nota de Abertura


No último Congresso da SPCE, realizado na UTAD em Setembro de 2014, foi formalmente constituída a Secção de Educação Comparada da SPCE (SPCE-SEC). Nessa ocasião, foi aprovado o seu Regulamento, o seu Programa de Trabalhos para 2014-2016 e eleitos os seus coordenadores. Em Novembro de 2014, a SPCE-SEC foi admitida como membro de pleno direito no World Council of Comparative Education Socities (WCCES) e participou na constituição da Sociedade Iberoamericana de Educação Comparada (SIBEC). Os professores e investigadores do campo da Educação Comparada passaram a ter uma representação externa, facilitando a sua participação em eventos internacionais e, espera-se, o reforço da internacionalização da sua produção científica.  Atualmente, prepara-se a 1ª Conferência da SPCE-SEC, sob a consigna A Educação Comparada para além dos números. Contextos locais, realidades nacionais e processos transnacionais. A Conferência decorrerá em Lisboa, de 25 a 27 de Janeiro de 2016. Contamos divulgar em breve o programa, estando já confirmados, como conferências ou participantes em painéis, alguns dos mais reconhecidos investigadores das problemáticas em debate: Andy Green, Boaventura de Sousa Santos, Carlos Alberto Torres, Jani Ursin, Jean-Louis Derouet, Mariano Enguita, Pablo Gentili, Roger Dale, Romuald Normand, Susan Robertson, entre vários outros. A Conferência permitirá também uma ampla participação de todos quantos tenham trabalhos (e redes) nos temas em debate e que são detalhados na chamada própria. Está aberta a apresentação de propostas para mesas temáticas, grupos de trabalhos e comunicações. Desejamos uma massiva participação de professores e investigadores, mas também de estudantes, que permita um diálogo com colegas de outras regiões, particularmente da América Latina (do Brasil, muito em particular), de África (em particular, dos países da CPLP) e da Europa (em particular, de Espanha). Vamo-nos mantendo em contacto. A vitalidade deste tipo de associações científicas depende sempre da capacidade de interagirmos, de construirmos verdadeiras comunidades de aprendizagem. É isso que desejamos para a SPCE-SEC.


S. Paulo, março de 2015 


António Teodoro