how to build your own site for free
Mobirise

Secção de Educação Comparada.

Nota de Abertura


No último Congresso da SPCE, realizado na UTAD em Setembro de 2014, foi formalmente constituída a Secção de Educação Comparada da SPCE (SPCE-SEC). Nessa ocasião, foi aprovado o seu Regulamento, o seu Programa de Trabalhos para 2014-2016 e eleitos os seus coordenadores. Em Novembro de 2014, a SPCE-SEC foi admitida como membro de pleno direito no World Council of Comparative Education Socities (WCCES) e participou na constituição da Sociedade Iberoamericana de Educação Comparada (SIBEC). Os professores e investigadores do campo da Educação Comparada passaram a ter uma representação externa, facilitando a sua participação em eventos internacionais e, espera-se, o reforço da internacionalização da sua produção científica.  Atualmente, prepara-se a 1ª Conferência da SPCE-SEC, sob a consigna A Educação Comparada para além dos números. Contextos locais, realidades nacionais e processos transnacionais. A Conferência decorrerá em Lisboa, de 25 a 27 de Janeiro de 2016. Contamos divulgar em breve o programa, estando já confirmados, como conferências ou participantes em painéis, alguns dos mais reconhecidos investigadores das problemáticas em debate: Andy Green, Boaventura de Sousa Santos, Carlos Alberto Torres, Jani Ursin, Jean-Louis Derouet, Mariano Enguita, Pablo Gentili, Roger Dale, Romuald Normand, Susan Robertson, entre vários outros. A Conferência permitirá também uma ampla participação de todos quantos tenham trabalhos (e redes) nos temas em debate e que são detalhados na chamada própria. Está aberta a apresentação de propostas para mesas temáticas, grupos de trabalhos e comunicações. Desejamos uma massiva participação de professores e investigadores, mas também de estudantes, que permita um diálogo com colegas de outras regiões, particularmente da América Latina (do Brasil, muito em particular), de África (em particular, dos países da CPLP) e da Europa (em particular, de Espanha). Vamo-nos mantendo em contacto. A vitalidade deste tipo de associações científicas depende sempre da capacidade de interagirmos, de construirmos verdadeiras comunidades de aprendizagem. É isso que desejamos para a SPCE-SEC.


S. Paulo, março de 2015 


António Teodoro